Fevereiro – Concertos

Fevereiro 11, 2015

10012826_10205726937032709_8741840761680914670_o10974457_10152655069722321_8709828806768244660_o10830898_335670486638133_7224018959515002220_o

Anúncios

CMF Cartaz Masterclasses 2014

10469180_718118251602261_2603474886179883290_n oito mãos

Serão da Bonjóia

6 de fevereiro de 2014 – às 21h15

Ciclo das Artes

Recital de Música de Câmara

Pelo Quarteto Assai

Um Serão musical proporcionado pelo Quarteto Assai onde serão interpretadas obras de Eugène Bozza, Jean Francaix e Claude Arrieu, entre outros autores.

O Quarteto é composto por Marco Pereira – Flauta, Hugo Ribeiro – Oboé, Cândida Oliveira – Clarinete, Lurdes Carneiro – Fagote.

“O Quarteto Assai nasceu da iniciativa de Cândida Oliveira, Hugo Ribeiro, Lurdes Carneiro e Marco Pereira que, durante o seu percurso individual formativo e profissional, se descobriram cúmplices no gosto pela música de câmara para a formação de quarteto de sopros de madeiras. Esta empatia resultou na formação deste ensemble, que se propõe redescobrir o repertório para quarteto de madeiras, muitas vezes deixado de parte das programações das salas de concerto. Também é sua intenção estimular a criação de obras nacionais para esta formação de música de câmara”.

 

Concerto de Ano Novo 2012

Janeiro 10, 2012

FERNANDO MARINHO direcção musical
MARCO PEREIRA flauta

No próximo dia 14 de Janeiro, pelas 21h30, realizar-se-á, na Casa das Artes de Vila Nova de Famalicão, o Concerto de Ano Novo 2012, pela Banda de Famalicão. Neste concerto serão interpretadas obras de compositores como Oscar Navarro, Saint-Säens, Jorge Salgueiro, entre os quais, será ainda interpretado o concerto para Flauta e Orquestra de Sopros de Mike Mower. Faço votos de que este concerto possa trazer entusiasmo a todos os que se deslocarem à Casa das Artes de Famalicão, já no próximo Sábado. Até breve…

*

Mike Mower tem sido distinguido, essencialmente, como compositor e arranjador de uma grande variedade de estilos e combinações. A sua música é publicada pela Itchy Fingers Publications, para a qual também escreveu diversos livros educacionais.

Mike Mower estudou flauta na Royal Academy of Music, em Londres, tendo sido galardoado, posteriormente, pela ARAM (Associate da Royal Academy of Music). Para além da Flauta, toca saxofone e clarinete, tendo liderado vários conjuntos de jazz, que vão desde o quarteto à big band, com as suas próprias composições.

Como músico freelancer, Mike tocou e gravou com artistas da música rock, jazz e clássica, tais como, Gil Evans, Tina Turner, Paul Weller, Björk, James Galway e Ryuchi Sakamoto. A sua carreira como músico performer esteve, sempre, lado a lado, com a sua carreira como compositor. Como tal, tem escrito para as mais variadas formações solicitado por artistas como James Galway, Airto Moreira e Flora Purim, Clare Southworth, entre outros.

Por outro lado, Mike Mower tem editado, masterizado e produzido diversos trabalhos discográficos de artistas, entre eles, destacam-se dois álbuns para James Galway, “Tango Del Fuego” e “Unbreak My Heart”.

Abordado por Lisa Garner, professora de flauta na Texas Tech University, no sentido de escrever uma obra para flauta e orquestra de sopros, Mike Mower decide compor a sua primeira obra para esta formação, o que, à partida, segundo o próprio, parecia uma árdua tarefa. “Impossible! was my initial reaction – the flute will never be heard”. Contudo, após algumas pesquisas, o compositor deparou-se com a obra “Rhapsody Lindisfarne”, escrita para a mesma combinação, em 1997, por Philip Sparke, e que muito agradou Mike Mower.

Partindo dos seus conhecimentos na área do jazz, o compositor percebeu que, dentro da orquestra de sopros, estava uma big band. Isto serviu de ponto de partida para o compositor. Assim, o compositor procurou, por um lado, marcar, tão levemente quanto possível, o acompanhamento da flauta nas partes solo e, por outro lado, explorar todas as possibilidades tímbricas da orquestra, nas partes tutti. Além disso, o compositor não esconde que procurou colocar algumas ideias musicais associadas aos EUA, uma vez que esta obra foi inteiramente financiada a partir deste país.

Inserido nas actividades do núcleo de estágio de flauta do Curso de Música Silva Monteiro, realizar-se-á, no Auditório Ernestina Silva Monteiro, um recital de flauta e guitarra pelo duo entr´acte, onde serão interpretadas obras de Lopes-Graça, Tedesco e Piazzola.mais informação

Integrado no 13º Curso Internacional de Técnica e Aperfeiçoamento Instrumental, organizado pela ARTAVE e CCM, o flautista Michel Bellavance realizará um recital, no dia 9 de Fevereiro, nas Caldas da Saúde – Santo Tirso, pelas 18h45.

Ver mais aqui!

Flautista Suíço-Canadiano, Michel Bellavance tem tocado pela Europa e pela América Latina com as mais conceituadas Orquestras, como a Orquestra Gulbenkian de Lisboa, Orquestra  de Câmara de Genebra, Camerata  Académica Orquestra  de  Paris,  Orquestra  Sinfónica Nacional do Peru,  Orquestra do Estado de San Juan, Orquestra Filarmónica de Mendoza, Orquestra Sinfónica do Estado da Bahia, a Orquestra Sinfónica de Maracaibo e Ensemble Ad Hoc, interpretando concertos de Nielsen, Ibert, Reinecke, Bernstein, Kabalevski, Liebermann, Mozart, Bach, Vivaldi e Hue. Tem dado recitais nas principais capitais, e já se apresentou em festivais na Suíça, Estados Unidos, Peru, Brasil, Venezuela, Costa Rica, Santiago do Chile, Colômbia, Equador, e em várias emissoras de rádio: CBC, Rádio Suisse Romande e Rádio Pública Nacional (EUA). A discografia de Michel Bellavance inclui quatro gravações que atestam o seu interesse por um tipo de repertório menos familiar. Os seus dois discos para Brioso Recordings (EUA) têm recebido elogios da crítica internacional. Além de suas atividades como intérprete, Michel Bellavance é professor de flauta no Conservatório de Genebra, (HEM) (Suiça). Tem leccionado workshops e master classes em Inglaterra, França, Suíça, Itália, Espanha, Roménia, Canadá, EUA, Brasil, Argentina, Peru, Costa Rica, Chile, Equador, Colômbia, China e Austrália.Como bolseiro do Conselho de Artes do Canadá, Michel Bellavance estudou em Paris, Genebra, Zurique e São Francisco, trabalhando com artistas como Aurèle Nicolet, Patrick Gallois, Maxence Larrieu, Adorján András e Paul Renzi.

Caros leitores,

entre os dias 16 e 20 de Agosto, orientarei o curso de aperfeiçoamento de flauta integrado no “III Estágio de Verão e Curso de Aperfeiçoamento de Sopros e Percussão”, organizado pela Banda Musical de Amarante.

As inscrições deverão ser efectuadas até ao dia 9 de Agosto, através do preenchimento do folheto de inscrição, sendo posteriormente enviado para o endereço electrónico estagio_verao@bandamarante.com.

Os custos serão de 50 €, incluindo refeição (com possibilidade de dormida por um valor adicional).

As inscrições estarão limitadas a um número definido de músicos por cada naipe.

Ver mais aqui

No próximo dia 28 de Maio, pelas 19h15, nas Caldas da Saúde, terei a oportunidade de participar pela segunda vez, na 5ª série do ciclo de recitais 35 minutos com.

Desta vez, o tema será “A Música Popular na Sonata de Bruce Craig Roter”.

Esta é a segunda experiência que tenho na interpretação desta sonata e a primeira vez que a tocarei com o percussionista Francisco Soares.

Apareçam!

Flauta – MARCO PEREIRA

Percussão – FRANCISCO SOARES

Comentários: MARCO PEREIRA/FRANCISCO SOARES

PROGRAMA

Sonata para flauta e percussão – Bruce Craig Roter (1962)

Freely, Rubato; Allegro (Flauta e caixa)

Adagio (Flauta e marimba)

Allegro non Troppo (Flauta e multi-percussão)

Duração da peça – apróximadamente 15’

No dia 04 Fevereiro, pelas 18h45, terá lugar nas Caldas da Saúde – Santo Tirso, um recital de flauta pela flautista Sarah Rumer (entrada livre). O recital integra-se no “XII Curso Internacional”, organizado pela ARTAVE e CCM.

Programa

  1. J.S. Bach Sonata in A-major BWV 1032
  2. Ian Clarke – Zoom Tube
  3. Taffanel – Fantasia sobre um tema de “Freyschutz”

mais informações – ver aqui

Sarah Rumer, nascida em 1978 em Zurique, é desde 2004 flauta principal da Orquestra de la Suisse Romande, em Genebra. Estudou com Felix Dorigo e Günter Rumpel na Escola de Música de Zurique e mais tarde, em Viena, com Dieter Flury. Frequentou Master classes com Peter-Lukas Graf, Aurele Nicolet, Michael Kofler, Gaby van Riet e Andras Adorjan e estudos vocais, enriquecendo sua formação.
Ganhou os principais concursos de música da Suíça e bolsas de estudo, seguido de prêmios em competições internacionais, em Odense (Carl Nielsen), Markneukirchen (2002) e Kobe (2005), onde lhe foi atribuído um prémio especial pela sua interpretação do Concerto de Mozart.
De 2000 a 2002 foi membro da Zurich Opera House Orchestra Academy, e em seguida foi contratada como flauta principal pela Orquestra Filarmónica de Graz (então liderado por Philippe Jordan) e pela Orquestra Filarmónica Mozarteum de Salzburgo. Também tocou na Orquestra da Ópera Estatal de Viena, na Orquestra Filarmónica de Viena, na Orquestra Sinfónica da Rádio de Frankfurt e na Orquestra do Tonhalle de Zurique.
Actuou como solista com a Orquestra Sinfónica de Odense, Tokyo Ensemble, Orquestra de Câmara do sudoeste alemão, Schweizer Chamber Orchestra, a Orquestra Sinfónica de Zurique, a Orquestra “Tibor Varga” e a Orquestra de la Suisse Romande.