1011804_635287096530810_1303375919_n

8.ª EDIÇÃO

Organizado pelo Teatro de Vila Real e pelo Teatro Municipal de Bragança, este é um festival que se constitui também como um roteiro turístico e cultural, com três objectivos fundamentais: proporcionar um acesso descontraído à música erudita, descentralizar geograficamente a oferta de espectáculos e dinamizar espaços de interesse histórico, arquitectónico e cultural. Os concertos decorrem durante o mês de Janeiro sob o mote “música séria para gente divertida”.

Na edição de 2014 serão realizados 38 espectáculos distribuídos pelos diferentes palcos e pelas diferentes secções do festival. Além dos concertos em auditório para o público em geral, serão apresentados espectáculos para públicos escolares ou infantis — os Concertinhos, actividades com intenção lúdico-pedagógica. A rubrica Café Vienense oferece, em simultâneo, concertos em quatro cafés do centro histórico de Vila Real, nas manhãs dos últimos três sábados de Janeiro. O Santuário de Panóias, Monumento Nacional desde 1910, será uma dos locais a visitar este ano pelo FAN.

A programação complementar inclui a peça de teatro musical “A revolução dos que não sabem dizer nós”, uma co-produção ACE/Teatro do Bolhão + 1.ª Avenida, e o programa de Anne Teresa De Keersmaeker, pela Companhia Nacional de Bailado, com música de Debussy, Beethoven e Schoenberg.

FAN 2014

Anúncios

Desde 2011 que Cândida Oliveira e Marco Pereira exploram o repertório existente para clarinete e flauta. A fusão destes instrumentos abrange vários períodos da música erudita, numa formação de música de câmara pouco explorada, mas com um vasto número de obras originais. Pretende-se com este concerto dar a conhecer algumas dessas obras.

Marco Pereira_Cândida Oliveira

21 DEZ

Santarém | Círculo Cultural Scalabitano

Marco Pereira | Flauta

Cândida Oliveira | Clarinete

KOECHLIN | VILLA-LOBOS | JOLIVET | MUCZYNSKI

Entre os dias 17 e 21 de Setembro decorreram no Conservatório de Música do Porto os “Encontros Luso-Brasileiros de Flauta”. Estes resultaram da vontade de aproximação de uma classe de músicos que, nem sempre, tem sido capaz de reunir todo o seu talento. Desta vez, durante cinco dias intensos, todos remamos no mesmo sentido e criamos momentos de grande valor artístico e pedagógico.

Certamente que nestes eventos há sempre quem se empenhe esforçadamente para que tudo aconteça: -todos esses, dando um pouco mais de si, já sentiram o benefício de encontrar e reencontrar amigos, de partilhar um palco, de ouvir boa música e de aprender com a experiência. Contudo, não é demais agradecer aos mentores deste evento e, de uma maneira geral, a todos os que contribuíram para a sua realização:

Luís Meireles, Maria José Souza Guedes, Sara Caldeira, Alberto Jorge, Sofia Ribeiro,Filipe Moço, Celso Woltzenlogel, Rogério Wolf, Ana Maria Ribeiro, Vasco Gouveia, Gil Magalhães, Rute Cruz, Daniela Anjo, Sílvia Cancela, Cristina Silva, Ana Catarina Costa, Eva Morais, Fernando Marinho, Olavo Barros, Anabela Freire, Monika Streitová,  Ana Rita Oliveira, Alexandra da Costa Marquez, Ana Isabel Silva, Aranda Teixeira, Ana Luísa dos Santos Silva Ribeiro, Ana Rita Azevedo, Beatriz da Silva Baião, Beatriz Isabel da Silva Só Alves, Bruno Miguel Tavares Pinheiro, Carlos Miguel Lopes de Araújo, Cristiana Acciaiuoli Catalão Azenha, Cristiano Marques, Diogo André Soares Ferreira, Eliana Santos Ribeiro, Elsa Daniela Ferreira da Costa, Inês Pinto, Isabel da Cunha de Sousa, Isabel Santos, Janete Silva, Joana Beatriz Cardoso Teixeira, Joana Nolasco, José Manuel Ramos Ferreira, Liliana Marinho Mendes, Luís Manuel Lopes de Vasconcelos, Mariana Coelho, Mariana Paiva, Miguel Alexandre da Rocha Teixeira, Paulo Daniel de Jesus Bastos, Ricardo Manuel Teixeira de Pinho, Teresa Sousa Branco Tomás da Costa, Vasco Albano Afonso Carvalho, Vasco Pereira de Sousa, Xavier Pinheiro Santos, entre outros.

DSC_0231

Os “Encontros Luso-Brasileiros de Flauta” foram um momento único, a recordar e a repetir. Para mim, estes representam simbolicamente um regresso a casa (Conservatório de Música do Porto) e o início de uma importante etapa como professor desta escola.

Concerto de Ano Novo 2012

Janeiro 10, 2012

FERNANDO MARINHO direcção musical
MARCO PEREIRA flauta

No próximo dia 14 de Janeiro, pelas 21h30, realizar-se-á, na Casa das Artes de Vila Nova de Famalicão, o Concerto de Ano Novo 2012, pela Banda de Famalicão. Neste concerto serão interpretadas obras de compositores como Oscar Navarro, Saint-Säens, Jorge Salgueiro, entre os quais, será ainda interpretado o concerto para Flauta e Orquestra de Sopros de Mike Mower. Faço votos de que este concerto possa trazer entusiasmo a todos os que se deslocarem à Casa das Artes de Famalicão, já no próximo Sábado. Até breve…

*

Mike Mower tem sido distinguido, essencialmente, como compositor e arranjador de uma grande variedade de estilos e combinações. A sua música é publicada pela Itchy Fingers Publications, para a qual também escreveu diversos livros educacionais.

Mike Mower estudou flauta na Royal Academy of Music, em Londres, tendo sido galardoado, posteriormente, pela ARAM (Associate da Royal Academy of Music). Para além da Flauta, toca saxofone e clarinete, tendo liderado vários conjuntos de jazz, que vão desde o quarteto à big band, com as suas próprias composições.

Como músico freelancer, Mike tocou e gravou com artistas da música rock, jazz e clássica, tais como, Gil Evans, Tina Turner, Paul Weller, Björk, James Galway e Ryuchi Sakamoto. A sua carreira como músico performer esteve, sempre, lado a lado, com a sua carreira como compositor. Como tal, tem escrito para as mais variadas formações solicitado por artistas como James Galway, Airto Moreira e Flora Purim, Clare Southworth, entre outros.

Por outro lado, Mike Mower tem editado, masterizado e produzido diversos trabalhos discográficos de artistas, entre eles, destacam-se dois álbuns para James Galway, “Tango Del Fuego” e “Unbreak My Heart”.

Abordado por Lisa Garner, professora de flauta na Texas Tech University, no sentido de escrever uma obra para flauta e orquestra de sopros, Mike Mower decide compor a sua primeira obra para esta formação, o que, à partida, segundo o próprio, parecia uma árdua tarefa. “Impossible! was my initial reaction – the flute will never be heard”. Contudo, após algumas pesquisas, o compositor deparou-se com a obra “Rhapsody Lindisfarne”, escrita para a mesma combinação, em 1997, por Philip Sparke, e que muito agradou Mike Mower.

Partindo dos seus conhecimentos na área do jazz, o compositor percebeu que, dentro da orquestra de sopros, estava uma big band. Isto serviu de ponto de partida para o compositor. Assim, o compositor procurou, por um lado, marcar, tão levemente quanto possível, o acompanhamento da flauta nas partes solo e, por outro lado, explorar todas as possibilidades tímbricas da orquestra, nas partes tutti. Além disso, o compositor não esconde que procurou colocar algumas ideias musicais associadas aos EUA, uma vez que esta obra foi inteiramente financiada a partir deste país.

Inserido nas actividades do núcleo de estágio de flauta do Curso de Música Silva Monteiro, realizar-se-á, no Auditório Ernestina Silva Monteiro, um recital de flauta e guitarra pelo duo entr´acte, onde serão interpretadas obras de Lopes-Graça, Tedesco e Piazzola.mais informação

Integrado no 13º Curso Internacional de Técnica e Aperfeiçoamento Instrumental, organizado pela ARTAVE e CCM, o flautista Michel Bellavance realizará um recital, no dia 9 de Fevereiro, nas Caldas da Saúde – Santo Tirso, pelas 18h45.

Ver mais aqui!

Flautista Suíço-Canadiano, Michel Bellavance tem tocado pela Europa e pela América Latina com as mais conceituadas Orquestras, como a Orquestra Gulbenkian de Lisboa, Orquestra  de Câmara de Genebra, Camerata  Académica Orquestra  de  Paris,  Orquestra  Sinfónica Nacional do Peru,  Orquestra do Estado de San Juan, Orquestra Filarmónica de Mendoza, Orquestra Sinfónica do Estado da Bahia, a Orquestra Sinfónica de Maracaibo e Ensemble Ad Hoc, interpretando concertos de Nielsen, Ibert, Reinecke, Bernstein, Kabalevski, Liebermann, Mozart, Bach, Vivaldi e Hue. Tem dado recitais nas principais capitais, e já se apresentou em festivais na Suíça, Estados Unidos, Peru, Brasil, Venezuela, Costa Rica, Santiago do Chile, Colômbia, Equador, e em várias emissoras de rádio: CBC, Rádio Suisse Romande e Rádio Pública Nacional (EUA). A discografia de Michel Bellavance inclui quatro gravações que atestam o seu interesse por um tipo de repertório menos familiar. Os seus dois discos para Brioso Recordings (EUA) têm recebido elogios da crítica internacional. Além de suas atividades como intérprete, Michel Bellavance é professor de flauta no Conservatório de Genebra, (HEM) (Suiça). Tem leccionado workshops e master classes em Inglaterra, França, Suíça, Itália, Espanha, Roménia, Canadá, EUA, Brasil, Argentina, Peru, Costa Rica, Chile, Equador, Colômbia, China e Austrália.Como bolseiro do Conselho de Artes do Canadá, Michel Bellavance estudou em Paris, Genebra, Zurique e São Francisco, trabalhando com artistas como Aurèle Nicolet, Patrick Gallois, Maxence Larrieu, Adorján András e Paul Renzi.

Caros leitores,

entre os dias 16 e 20 de Agosto, orientarei o curso de aperfeiçoamento de flauta integrado no “III Estágio de Verão e Curso de Aperfeiçoamento de Sopros e Percussão”, organizado pela Banda Musical de Amarante.

As inscrições deverão ser efectuadas até ao dia 9 de Agosto, através do preenchimento do folheto de inscrição, sendo posteriormente enviado para o endereço electrónico estagio_verao@bandamarante.com.

Os custos serão de 50 €, incluindo refeição (com possibilidade de dormida por um valor adicional).

As inscrições estarão limitadas a um número definido de músicos por cada naipe.

Ver mais aqui

No próximo dia 21 de Junho irão realizar-se no Auditório Padre António Vieira – Caldas da Saúde, dois Concertos pelas Orquestras e Coros Infantil e Juvenil do Médio Ave. No segundo concerto (21h15), terei a oportunidade de tocar com a Flautista Elisa Trigo, o concerto para duas flautas de A. Vivaldi.

No terminar de mais um ano lectivo, na sua vertiginosa correria entre aulas, avaliações e reuniões, a preparação deste concerto, a partilha de experiências com todos os seus intervenientes, e a boa disposição que as leituras deste compositor sempre nos trazem, têm sido um tónico para ultrapassar com sucesso estes momentos do ano escolar, que são sempre muito delicados para toda a comunidade escolar.

Até breve!

1st Prize Adriana Ferreira, Portugal, 19

2nd Prize Zoya Vyazovskaya. Russia, 20

3rd Prize Maria Cecilia Munoz, Argentina, 27

4th Prize Melkorka Ólafsdóttir, Iceland, 28

Não podería deixar de referir o resultado obtido pela flautista Adriana Ferreira, na quarta edição do Concurso Internacional Carl Nielsen, felicitando-a e a todos os que de alguma forma contribuíram para que ela se tornasse na pessoa e no músico que é.

Este é um acontecimento verdadeiramente ímpar, e permitam-me dizer que todos nos devemos sentir orgulhosos pelo trabalho que a Adriana tem realizado. Ela é o exemplo de que é possível atingir a excelência!

Concerto de Mozart – Final – Adriana Ferreira

PARABÉNS ADRIANA!!

No próximo dia 28 de Maio, pelas 19h15, nas Caldas da Saúde, terei a oportunidade de participar pela segunda vez, na 5ª série do ciclo de recitais 35 minutos com.

Desta vez, o tema será “A Música Popular na Sonata de Bruce Craig Roter”.

Esta é a segunda experiência que tenho na interpretação desta sonata e a primeira vez que a tocarei com o percussionista Francisco Soares.

Apareçam!

Flauta – MARCO PEREIRA

Percussão – FRANCISCO SOARES

Comentários: MARCO PEREIRA/FRANCISCO SOARES

PROGRAMA

Sonata para flauta e percussão – Bruce Craig Roter (1962)

Freely, Rubato; Allegro (Flauta e caixa)

Adagio (Flauta e marimba)

Allegro non Troppo (Flauta e multi-percussão)

Duração da peça – apróximadamente 15’